Seguidores

domingo, 22 de dezembro de 2013

Desejos e votos de um feliz Natal e prospero ano Novo



Natal é o nascimento de Cristo. Ano Novo é o nascimento de uma nova esperança. Que o seu Natal seja brilhante de alegria, iluminado de amor.Feliz Natal e que o seu Ano Novo seja cheio de esperança.

Que Jesus possa renascer em todos os nossos corações!










O Dojo e a Conduta do Karateca


“A ação do ritual na formação do homem é secreta; ele previne o mal antes que ele apareça; ele nos aproxima do bem e nos afasta do mal sem que nos apercebamos”. LI-KI
2.1. INTRODUÇÃO
Os rituais em todos os Dojo propõem aos praticantes uma série de atitudes e gestos que facilitam as relações entre eles deixando claro o desejo comum de obedecer a uma ordem válida para toda a comunidade e para cada um. A intenção do praticante é sempre a de estimular o progresso na arte de todas as pessoas sem perder o desenvolvimento individual.
A prática de karate está repleta de exercícios marciais, combativos, porém com um total espírito de conciliação, buscando a vitória pela harmonia, pela paz, procurando esquecer as atitudes egoístas e pensando sempre no grupo e como sendo parte dele. O karateca treina com seu companheiro com todo respeito e consideração, pois o considera como parte de si mesmo e sem o qual não há treinamento.
Daí ser fundamental tratar o companheiro com cortesia e agradecimento por ele dá a possibilidade de você treinar e de aprender com ele. Ao professor, se deve o respeito e o agradecimento pela transmissão dos conhecimentos e pela dedicação e esforço em ensinar segredos que foram por muitos séculos restritos a uma minoria privilegiada. Respeitar e se fazer respeitar é uma das regras mais importantes durante os treinamentos. Conciliar e nunca confrontar é o princípio básico. Esquecer-se da palavra “eu” e substituí-la pela palavra “nós” é a essência do ensinamento. Outro ponto fundamental é que não se treina karate, mas sim, para a vida.
Portanto, fica claro ao praticante e ao grupo que o fundamental não é vencer, não é derrubar, não é ser o mais forte, mas descobrir o potencial individual, o centro das ações e se, ele não for o centro, colocar-se em uma de suas órbitas, de acordo com suas reais condições.
CEFET-RN PROF. HENRIQUE 8
2.2. O DOJO
O lugar onde se pratica Artes Marciais é denominado “Dojo”, esta palavra foi emprestada do Zen Budismo, significando “Lugar de Iluminação” (onde os monges praticavam a meditação, a concentração, a respiração, os exercícios físicos e outros mais). A palavra dojo significa literalmente:
¾ DO – Caminho, estrada ou trilha (sentido espiritual); ¾ JO1 – Lugar (espaço físico).
Algumas pessoas referem-se à academia de karate como um dojo, porém as duas coisas são diferentes. A palavra dojo somente se refere ao espaço físico onde ocorre o treino de karate (leia-se arte marcial japonesa), enquanto academia se refere ao local onde se pratica karate. Portanto, o dojo é o lugar onde se pratica o “caminho”.
Alguns podem perguntar sobre qual o caminho que se pratica em um dojo, a resposta vem, mais uma vez, do Budismo (mais precisamente do Zen); O homem deve despertar em meio às questões de todos os dias, vivendo intensamente no presente e concedendo atenção integral às coisas do cotidiano, para, desta maneira, retornar à naturalidade de sua natureza, conforme ditado Zen:
“Antes de estudar Zen, as montanhas são montanhas e os rios são rios. Enquanto estuda Zen, as montanhas deixam de ser montanhas, os rios deixam de ser rios. Uma vez alcançada a iluminação, as montanhas voltam a ser montanhas e os rios voltam a ser rios”.
Isto quer dizer que um pintor alcança a felicidade pintando, um médico realizando cirurgias e um karateca praticando karate.
2.2.1. A LIMPEZA DO DOJO
O dojo é limpo através do uso de panos úmidos empurrados sobre o piso pelos estudantes, fazendo com que a sujeira seja removida e não esfregada. Isto é importante, pois limpar o chão é um exemplo de humildade (não um castigo) que faz bem para o desenvolvimento do indivíduo.
1 JO – Mesmo tendo a mesma pronúncia de bastão (jo), seu ideograma japonês é diferente.
CEFET-RN PROF. HENRIQUE 9
A limpeza deve ser executada antes do treinamento e será precedida por uma boa varrida do piso. Os estudantes limpam o chão, enquanto o professor e alguns alunos geralmente não participam da limpeza.
2.2.2. OS PRINCIPAIS ELEMENTOS O dojo tem em cada um de seus cantos um significado diferente:
¾ SHIMOZA - Local onde ficam os alunos durante os treinamentos; ¾ SHIMOZEKI - Local onde ficam os alunos que desejam falar com o professor;
¾ JOZEKI - Local onde fica o aluno mais graduado;
¾ KAMIZA - Lugar de Honra reservado ao professor e convidados;
¾ SHOMEN – É a parede da frente do dojo;
¾ NAFUDA – Quadro na parede do dojo que contém plaquetas com o nome dos membros da academia;
¾ HATA – É a bandeira da academia.
Uma demonstração tradicional de cortesia é o cumprimento, isto tanto é verdade que ele é realizado no início e no final da aula de frente para o Shomen (forma de agradecimento àqueles que desenvolveram a arte). Ao cumprimentar, você deverá olhar para baixo e não na face do seu oponente – olhar na face de alguém durante um cumprimento é sinal de falta de confiança. O cumprimento pode ser feito de duas maneiras distintas:
¾ RITSU REI – cumprimento em pé; ¾ ZAREI – cumprimento sentado (SEIZA).
CEFET-RN PROF. HENRIQUE 10
A maneira correta de se cumprimentar é, partindo-se da posição natural (SHI-
ZENTAI), curvar o corpo apenas em 30o e segurá-la por meio segundo e retornar a posição ereta (ritsu rei). O cumprimento deve acontecer nas situações a seguir:
¾ Quando entramos ou saímos do dojo; ¾ Quando o professor entra ou sai do dojo;
¾ No início e final de um combate;
¾ No início e final da aula;
¾ No início e final de um kata;
¾ No início e final de um exercício com um companheiro.
O Zarei é realizado a partir da posição Seiza (o praticante senta-se sobre seus calcanhares e quando o fizer deverá abaixar sua perna esquerda e em seguida a direita, colocando o dedão do pé esquerdo sobre o do direito, ao levantar-se ocorre à inversão), inclinando-se o corpo e as mãos descem suavemente das coxas para o chão, formando um triângulo onde a testa tocará.
Retirado: Iniciação ao Karatê   http://www.ebah.com.br

ARMAS ARTIFICIAIS DO KARATÊ

. ARMAS ARTIFICIAIS
¾ Bo; ¾ Jo;
¾ Nunchaku;
¾ Kama;
CEFET-RN PROF. HENRIQUE 2
Um pedaço de madeira que era carregado sobre os ombros para transportar baldes de água. O modelo mais popular mede 1,82 m de comprimento e tem 31,75 m de espessura. Os kata mais comuns com o bo são:
¾ Shushi No Kon; ¾ Choun No Kon;
¾ Sakugawa No Kon;
¾ Tsuken No Kon;
¾ Shishi No Kon.
Bastão tradicional japonês com 1,20 m de comprimento. Pode ser manuseado como katana (espada japonesa), haja uma arte japonesa separada chamada jojutsu. O desenvolvimento do jo, segundo a lenda, se deve a Muso Gonosuke que enfrentou Miyamoto Musashi em combate por duas vezes.
No primeiro duelo, Gonosuke, que utilizava um bo, perdeu e se refugiou na floresta com vergonha pela derrota e de ter sua vida poupada e durante esse período teve a visão, durante um sonho, das mudanças que deveria implementar na sua arma. No segundo combate, que foi presenciado pela mãe de Gonosuke, Musashi estava por vencer quando a mãe de Gonosuke deu um grito e este desferiu um golpe novo e totalmente instintivo e então Musashi falou que a luta havia terminado e que Muso vencera.
CEFET-RN PROF. HENRIQUE 23
Era uma ferramenta usada para bater grãos de arroz. No sistema Matayoshi os tipos mais comuns de nunchaku são o octogonal (hakkakukei) e o arredondado (marugata). Suas hastes de madeira de igual tamanho são conectadas por um pedaço de corda ou corrente.
Era usado para cortar o arroz. O kama pode ser empregado para rasgar, cortar lateralmente, espetar, perfurar e desviar ataques de outras armas.
Um implemento de madeira que era utilizado para girar o moinho de arroz e que teve um importante papel na história dos combates com armas derivadas pelo uso efetivo.
CEFET-RN PROF. HENRIQUE 24
É uma tonfa com três pontas de metal. É utilizada com duas ou três pontas para interceder um ataque do oponente e usando lâminas menores, que causam cortes e um ataque perfurante. Apesar de sua exata origem ser obscura, tem semelhança com um instrumento utilizado na China, e acredita-se que tenha se derivado de um instrumento agrícola usado para cavar buracos na terra para plantação de sementes. Um terceiro sai era levado nas costas em um cinto (obi) para reposição do que era atirado.
Retirado: Iniciação ao Karatê   http://www.ebah.com.br


AS ARMAS DO KARATÊ




A NOMENCLATURA USADA AQUI É DO ESTILO SHOTOKAN
Atenção especial deve ser dada aos principiantes, é o fechamento da mão. Geralmente eles apenas a fecham sem estarem contraídas devidamente, ou costumam fechar a mão segurando o polegar dentro, o que irá causar a quebra, luxação ou entorse do mesmo em caso de contato, principalmente se for para bloquear algum golpe forte como um geri (chute).
Muitos praticantes acham que a potência do soco está no braço, exercitando bastante o tríceps, e algumas vezes também erroneamente o bíceps, que um músculo antagonista, e quanto mais for hipertrofiado, mais irá segurar o movimento do soco, esquecendo que o que segura o impacto é o punho, necessitando assim exercitar com a mesma intensidade e voluma o antebraço que o braço. Não podemos esquecer também que a força explosiva do soco de karate, nada tem haver com exercícios de musculação, pois irá trabalhar fibras diferentes da que usamos nos golpes. É comum ver praticantes “abrirem” o punho durante o soco devido essa falta de uma orientação mais profissional.
1 -) Estenda os dedos e alinhe o dedo indicador, o dedo médio, o anelar e o mínimo.
2 -) Dobre os quatro dedos para dentro, começando com o dedo mínimo, seguido por cada dedo.
3 -) Dobre os dedos para dentro até as pontas de eles tocarem na sua base.
4 -) Continue dobrando os quatro dedos para dentro, com muita firmeza na palma.
5 -) Dobre o polegar para baixo para que ele pressione firmemente os dedos indicadores e médios. Pressione o polegar e o dedo mínimo firmemente entre os outros para formar um punho forte







ARMAS DAS MÃOS E BRAÇOS
1 -) SEIKEN (Punho frontal)
É o mais comumente usado em Karate, e a prática freqüente garante a forma correta. No SEKEN as primeiras juntas dos dedos indicadores e médios são usadas para atingir o alvo. O punho é mantido em linha reta de modo que o dorso da mão e a parte do pulso tracem uma linha reta, permitindo que toda a energia de um soco se concentre na frente do punho no local das duas primeiras juntas. O pulso deve ser mantido rígido e reto em todos os momentos, um punho dobrado pode resultar em ferimentos quando o soco for dado.
 





2 -) URAKEN (Punho invertido)
Formado da mesma maneira que o Seiken, pode ser usado para ataques ao rosto e á lateral do corpo. O dorso da mão, em torno das primeiras juntas dos dedos indicadores e médios, é usado para atingir o alvo. Para dar um potente soco URAKEN o braço é usado como um chicote, fazendo uma pressão na altura do cotovelo. Sem a pressão do cotovelo, o soco URAKEN perde a sua eficácia.
 







3 -) TETTSUI (Punho fechado)
Também formado da mesma maneira que o seiken, o TETTSUI pode ser usado para golpes na cabeça e no corpo. A base do soco é usada para acertar o alvo e, como o uraken, a sua eficácia depende da mobilidade do cotovelo.
 














4 -) IPPON-KEN (punho com uma junta do dedo)
O IPPON-KEN é parecido com o seiken, exceto que a segunda junta do dedo indicador se sobressai, com o dedo indicador dobrado firmemente imprensando entre a polpa do polegar e o dedo médio. A junta saliente do dedo indicador é usada para atacar os pontos vulneráveis, como a ponte nasal e a área abaixo do nariz, tornando i IPPON-KEN uma arma muito eficaz.


5 -) NAKADAKA IPPON-KEN (Punho de uma junta do dedo médio)
O NAKADAKA IPPON-KEN é formado de mesma maneira que o seiken, exceto que a primeira articulação conjunta do dedo médio se sobressai. A junta saliente é utilizada para atingir o alvo da mesma forma que o ippon-ken


6 -) HIRAKEN (Punho frontal com a junta)
Forma-se o HIRAKEN dobrando o indicador, o médio, o anular e o mínino de modo que as pontas dos dedos tocam a borda da palma atrás das primeiras articulações. A polpa do polegar é pressionada contra a lateral do dedo indicador. O HIRAKEN pode ser usado em ataques a pontos vulneráveis, tais como a área abaixo do nariz.


8  -) NUKITE (Mão em ponta de lança)
Enquanto o termo NUKITE é normalmente usado para se referir ao SHIHON (quatro dedos) NUKITE, existem outros tipos de NUKITE como: Nihon (NUKITE com dois dedos) e ippon (NUKITE com um dedo). Uma vez que as pontas dos dedos são usadas para atingir o alvo, elas estão sujeitas a uma quantidade enorme de stress. Para evitar torções e outros acidentes possíveis, é recomendado fortalecer regularmente os dedos. Vejo muitas literaturas aconselharem empunhar os dedos em areia ou arroz, mais sabemos que essa prática pode machucar e lesionar as cutículas, que são uma proteção natural de nossa pele (maior órgão do corpo), deixando-nos vulneráveis a contrair doenças como HIV, hepatite e outras males  caso tenhamos contato com sangue contaminado, seja pelo esporte ou por um socorro de urgência.
Meu conselho seria exercitar os dedos com uma bola de tênis ou fazer flexição usando ao invés da palma, os dedos, e com a evolução poderia alternar os dedos usando três ou até dois dedos com o tempo.

9 -) SHIHON-NUKITE (Mão em ponta de lança com quatro dedos)
No SHIHON-NUKITE o indicador, o médio, o anular e os mínimos ficam alinhados e estendidos. Os quatro dedos são dobrados suavemente e o polegar fica muito apertado na borda da mão. O DHIHON-NUKITE pode ser usado para ataques ao plexo solar e ao lado do corpo.



10 -) NIHON-NUKITE (Mão em ponta de lança com dois dedos)
No NIHON-NUKITE, que pode ser usado para ataques visando os olhos e o nariz, o indicador e o médio ficam estendidos e levemente curvados.




11 -) IPPON-NUKITE (Mão em ponta de lança com um dedo)
Para formar o IPPON-NUKITE o dedo indicador fica estendido e levemente curvado, enquanto o médio, indicador e o mínimo ficam fortemente dobrados para trás como o hiraken. O dedo indicador fica firmemente prensado entre o polegar e o dedo médio. O IPPON-NUKITE pode ser usado para ataques dirigidos a pontos vulneráveis como os olhos e outros pontos vitais.

12 -) HAISHU (Costas da mão)
O HAISHU é usado mais para defesa, onde a área de contato é as costas da mão.




13 -) SHUTÔ
(Faca da mão)
No SHUTÔ  a borda externa da mão abaixo do dedo mínimo é utilizada como uma espada para bloquear ou atacar. O indicador, o médio, o anular e os mínimos ficam alinhados e estendidos enquanto o polegar fica bem apertado contra a borda da mão.


14 -) HAITÔ (Aresta da mão)
No HAITÔ a borda da mão em torno da primeira articulação do dedo indicador é utilizada como uma espada para bloquear ou atacar. Comparando com o shutô, o polegar fica mais puxado para dentro em direção á palma da mão.



15 -) SEIRYÛTÔ (Mão de mandíbula de boi)
No SIRYÛTÔ a borda da mão externa da mão perto do punho atinge o alvo. O punho é dobrado para trás conforme a borda inferior da mão é impulsionada para fora para defesa ou ataque.



16 -) TEISHÔ (Base da palma)
Forma-se o TEISHÔ curvando o punho ara cima e empurrando o cutelo da mão para frente. O cutelo é empurrado para frente bruscamente para ataques ao queixo ou qualquer outra parte, assim como para bloqueio.




17 - ) KEITÔ (Defesa com a mão em crista de galo)
No KEITÔ a base e a primeira junta do polegar é usada para golpear visando à axila ou o braço que dá o soco. A mão fica dobrada ao pulso de modo que a base do polegar fique em consonância com a aparte de cima do antebraço.



18 -) YOKOKEN (Punho lateral)
No YOKOKEN, formado da mesma maneira que i ippon-ken, a segunda junta do polegar é usada para atingir o alvo. É eficaz em ataques direcionados a esses pontos vulneráveis, como a traquéia.



19 -) KAKUTÔ (Pulso dobrado)
No KAKUTÔ o punho é dobrado para baixo e a parte superior do pulso é usada para atingir o alvo. O KAKUTÔ é altamente eficaz em ataques ao queixo.



20 -) WASHIDE (Mão de águia)
No WASHIDE as pontas dos cinco dedos ficam comprimidas para formar um ponto, de aparência semelhante a um bico de pássaro, usadas para ataques a pontos vulneráveis, tais como a garganta e a traquéia. Sendo um ataque eficaz, devem ser tomados os cuidados para evitar torção nos dedos e outras lesões.


21 -) KUMADE (Mão de urso)
No KUMADE, formado ao dobrar os dedos e o polegar, assim as pontas dos dedos apenas tocam a borda da palma, a palma é utilizada para atingir o alvo. A palma é empurrada para fora bruscamente, fazendo do KUMADDE uma arma eficaz para ataques á face.


22 -) UDE (Braço)
A maioria das técnicas básicas de bloqueio empregadas no Karatê é realizada com os braços. O antebraço, que pode ser usado quase por inteiro para bloqueio, é dividido em quatro regiões de base longitudinal:
A – UCHI-UDE – braço interno, o lado do polegar do antebraço
B – SOTO-UDE – braço exterior, o lado do dedo mínimo do antebraço.
C – HAIWAN – braço para trás,  a superfície posterior do antebraço ligado ao dorso da mão
D – FUKUWAN – barriga do braço, a superfície anterior do antebraço que se liga á palma.





23 -) EMPI (Cotovelo)
Ao enfrentar um adversário de perto, o cotovelo pode ser usado como uma arma eficaz para ataques ao rosto, queixo, plexo solar e lateral do corpo. Também é adequado o uso do cotovelo em aplicações de autodefesa







ARMAS DAS PERNAS E PÉS

1 -) HIZA (Joelho)
O joelho pode ser usado em um estreita faixa de golpes ao rosto, á lateral do corpo e á virilha. Também pode ser usado para autodefesa por mulheres, crianças e pessoas sem muita força física.




2 -) KOSHI (Bola do pé)
No Karate a bola do pé é mais usada para chutes. Com os dedos fazendo hiperextenção e  o pé em dorse flexição, a bola do pé do pé pode ser usada para atacar quase todas as partes do corpo, incluindo queixo, tórax, abdômen e virilha.





3 -) SOKUTÔ (Faca do pé)
Usado em chutes laterais, o sokutô utiliza a borda externa do pé. O pé fica dobrado para dentro no tornozelo e firme no lugar.




4 -) HAISOKU (Peito do pé)
No HAISOKU a parte superior do pé, do tornozelo até os dedos é usada como superfície de impacto. O pé em flexão plantar e os dedos flexionado. A área em cima dos dedos é chamada de JÔHAISOKU.



5 -) SOKUSÔ (Ponta dos dedos)
No SOKUSÔ todos os dedos ficam agrupados e suas extremidades são usadas para atingir o alvo.




6 -) KAKATO (Calcanhar)
O calcanhar é usados em chutes para trás ou no fumikomi (pisão) também.




7 -) SOKUTEI (Sola do pé)
A sola é usada principalmente para defesa ou num pisão.



Retirado: KARATE SHOTOKAN – OFICIAL


sexta-feira, 13 de dezembro de 2013

Kata






Os Kata, são o início e o fim desta arte marcial, sem dúvida é a essência do Karatê.
Um Kata nada mais é do que um segmento de movimentos de Karatê codificados com esmero, executados na mesma maneira e nas mesmas direções. Na duração do Kata, o praticante executa uma série importante de técnicas.
As velhas técnicas ensinadas pelos velhos mestres da arte, estão contidas nos Kata.
Dentre todas as artes marciais, os Kata do Karatê são os únicos que se executam só e sem acessórios especiais. É na execução do Kata que podemos notar o progresso que obtivemos. Para a obtenção de graus e faixas é necessário o seu teste. Nesta fase é incrível para quem assiste, ver um só homem num combate contra vários adversários. Esta é a impressão que se tem..!

O Combate Real

É no Kata que o praticante deve colocar toda a sua força e energia ligadas à vontade. O plano é enfrentarmos entre 8 e 10 adversários. É a única maneira de adquirirmos a sensação de combate real e total, no qual poderá adquirir o domínio do corpo e do espírito. Até bem pouco tempo, os Katas, eram a única forma de chegarmos à progressão para o domínio manancial de eficácia absoluta. Foi o antagonismo dos universitários japoneses que deu origem à adjunção de uma forma nova, o combate livre, fazendo o sistema moderno de competições. Os Katas contêm todas as técnicas do Karatê moderno e diferem do Jiyu- Kumite que desenvolve o sentido da defesa numa só direção. Eles nos fazem descobrir em si mesmos uma fonte de possibilidades incríveis. Pelas obrigações que nos impõem em bloquear, esquivar, bater de mãos fechadas e pés encadeados, saltar por cima dos ataques, etc; nos dão a idéia de um ataque real no qual somos atacados de todos os lados e por todos os modos. Muitas vezes certas passagens dos Katas, parecem de pouco efeito se aplicadas num combate real, e que certos bloqueios são lentos. Sabemos que tudo isto pode encher de suspeitas o espírito daquele que inicia. Jamais um Kata é entendido a fundo, a não ser por um mestre. O belo, está em procurarmos os limites do incompreensível, a razão de nosso progresso, e somente mais tarde vemos que certas evoluções para nós estranhas tem um sentido pré- estabelecido.
O combate exige uma enorme tensão mental pois nos movimentamos pouco. Sabemos que, ao passo que conhecemos mais a fundo um Kata, uma nova possibilidade e compreensão se abre diante de nós. O Kata inicia por uma defesa, sendo que o Karatê deve ser utilizado para salvarmos nossa integridade física.
Aos poucos, vamos nos aproximando - através de várias repetições - do Kata verdadeiro distante de ser aquele incompreendido. Praticados e executados com sinceridade, ritmo, espírito, força e velocidade, é magnífico, belo e admirável para quem olha.

www.meusite.pro.br

Kata do estilo Shotokan



Os KATA são a essência do estilo de karatê, neles estão contidas as técnicas de grandes mestres. Cada kata representa uma situação diferente pela qual o carateca esta passando. Sendo que os kata só terão o seu significado realmente compreendido por aquele que os pratica com maior frequência, um grande mestre do passado disse que um kata só deve ser mostrado a outros quando ele for praticado 10.000 vezes, com uma pratica dessa quantidade pode realmente alcançar o real significado de cada técnica contida no kata e não a simples ordenação dos movimentos, pois o kata não deve ser dublado e sim vivido, deve-se incorporar a situação para que ele possa vir a ter um proveito real para o praticante.


1. Para cada kata, o número de movimentos é fixado, eles tem que ser executados na ordem correta.

2. O primeiro movimento e o último movimento de cada Kata tem de ser executados no mesmo ponto da linha de atuação, ela tem formas variadas, dependendo do Kata, como linha reta, forma de T, forma de I, e assim por diante.

3. Há Kata que precisam ser aprendidos e outros que são opcionais. Os primeiros são os cinco Kata Heian e os três Kata Tekki. Os últimos são: Bassai, Kanku, Empi, Hangetsu, Jitte, Gankaku e jion. Os outros Kata são: Meikyo, Chinte, Nijushiho, Gojushiho, Hyakuhachiho, Sanchin, Tensho, Unsu, Sochin e Seienchin.

4. Para executar dinamicamente um Kata, três regras devem ser lembradas e observadas: 1. o uso correto da força; 2. a velocidade do movimento, lento ou rápido; 3. a expansão e contração do corpo. A beleza, a força e o ritmo do Kata dependem desses três fatores.

5. No início e término do Kata, a pessoa faz uma inclinação. Isso faz parte do Kata. Ao fazer sucessivos exercícios de Kata, incline-se no começo e ao terminar o último kata.

Obs : A palavra KATA não tem plural , só deve ser escrita no singular mesmo que falemos de mais de um kata

Os Kata do Shotokan:

HEIAN: (Paz e Tranqüilidade): Há cinco formas de Heian (shodan, nidan, sandan, yondan, godan), contendo uma grande variedade de técnicas, sendo quase todas relacionadas a posturas básicas. Alguém que tenha aprendido estas cinco formas pode estar seguro que é capaz de defender-se com muita habilidade na maioria das situações. O significado do nome deve ser levado em consideração neste contexto. Visto que os heian são derivações de um kata mais avançado (Kanku Dai).Os Heians são aprendidos nas faixas iniciais, sendo o Heian Shodan geralmente o 1º Kata que se aprende no karate shotokan ainda na faixa branca, é seguido pelos Katas: Heian Nidan (faixa amarela), Heian Sandan (faixa vermelha), Heian Yondan (faixa laranja) e Heian Godan (faixa verde), na faixa roxa geralmente se aprende alguns kata superiores.

TEKKI: (Cavaleiro de Ferro) ou (Andar a Cavalo): (Há três formas. shodan, nidan e sandan). O nome refere-se a característica distinta deste Kata que é sua postura Kiba-dachi, como montar a cavalo. Neste as pernas são fortemente posicionadas bem abertas, como se fosse para sentar no dorso de um cavalo, e a tensão é aplicada nas bordas externas das solas dos pés com a sensação de concentrar a força em direção ao centro, sendo praticado para o desenvolvimento do kime (força).

BASSAI: (Romper a Fortaleza) ou (Atravesar a Fortaleza): É um kata que reuni as principais técnicas básicas do karatê Shotokan. Este sugere o confronto contra um adversário superior, que não tenha pontos fracos (fortaleza), no qual o praticante terá que superar os seus próprios limites para conseguir a vitória. Há duas formas de Bassai (Dai,e Shô). Sendo que a forma Sho foi desenvolvida pelo mestre Funakoshi.

KANKU: (Olhar Para O Céu) ou (Contemplar o Céu): O nome deste Kata derivou-se originariamente do mesmo introduzido por Ku Shanku, integrante do exército Chinês. O nome refere-se ao primeiro movimento do Kata, no qual levanta-se as mãos e olha-se para o céu. Há duas formas de Kanku (Dai e Shô), um curta e outra longa, o Kanku Dai é um kata que tem um pouco de cada heian (Shodan, Nidan, Sandan, Yondan e Godan), e é um dos katas mais longos do Shotokan, o Kanku Sho foi desenvolvida pelo mestre Funakoshi.

JITTE: (Dez Mãos) ou (Dez Técnicas): Nas formas remanescentes pertencem ao estilo Shorei, os movimentos são um tanto mais pesados quando comparados àqueles do estilo Shorin. A postura é bastante audaz. Proporcionam um bom condicionamento físico, embora sejam difíceis para iniciantes. O nome Jitte sugere que alguém que tenha aprendido este Kata é tão eficiente como cinco homens de uma só vez.

HANGETSU: (Meia-Lua): Nos movimentos para frente, neste Kata, são descritos semicírculos com as mãos e os pés de maneira característica, sendo seu nome derivado deste fato. Um das grandes características é a respiração, sendo devidamente trabalhada de forma sincronica com os movimentos.

ENPI: (O Vôo Da Andorinha): A movimentação característica deste Kata é o ataque a um nível mais acima do solo. Na seqüência segura-se o opoente e o induz a permanecer em uma posição específica, simultaneamente avançando e atacando novamente. O movimento representa o vôo rápido e ágil da andorinha. Sem dúvida um dos katas mais rápidos do estilo.

GANKAKU: (O Grou Sobre a Rocha): A característica deste Kata é a postura em uma só perna que ocorre repetidamente. Representa a visão esplêndida de uma garça pousada em total equilíbrio em uma pedra, prestes a lançar-se sobre a sua vítima.

JION: (Amor e Gratidão): Este é o nome original e tem aparecido freqüentemente na literatura chinesa desde os tempos antigos. O Jionji é um famoso velho templo Budista, e há um santo Budista bastante conhecido chamado Jion. O nome sugere que o Kata tenha sido introduzido por alguém identificado com o Templo Jion, assim como o nome Shorin-ji Kempo deriva de uma relação com o Templo Shorin. É um kata de base pesadas.

CHINTE: (Mãos Estranhas) ou (Técnicas Estranhas): Possui este nome por conta de técnicas não tanto comuns, (dedo nos olhos) e coisas do género. Este trata de uma situação que o oponente tem uma vantagem física, tornando necessário atacar em ponto do corpo onde não haja vantagem física.

UNSU: (Mãos e Nuvens):O Kata com o estilo do Dragão por Mestre Aragaki. Onde ele o treinou não se tem conhecimento, mas as grandes influências Chinesas neste Kata sugerem que tenha sido certamente em continente chinês. O nome usado em Okinawa é Unshou e significa "Defesa Contra A Nuvem", ou seja, mesmo se seus inimigos cercarem você como uma nuvem, com certeza você os vencerá se tiver aprendido o Unsu. Este é sem dúvida o kata mais curioso do estilo Shotokan, possuindo técnicas das mais variadas formas, das mais simples as mais complexas, sendo somente indicado a praticantes de alto nivel técnico.

SOCHIN: (Espírito Inabalável): Este nome sugere que o praticante que o domine não temerá nada. É um kata de bases bastante pesadas primando para um bom desenvolvimento da base, postura e força.

NIJUSHIHO: (Vinte e Quatro Passos): Um kata bem complexo apesar da pouca quantidade de movimentos. Este faz um rápida mudança de direção e um grande variação de técnicas de defesa e contra-ataque.

GOJUSHIHO: (Cinquenta e Quatro Passos): Há duas formas de Gojushiho (Dai e Shô)sendo estes uns dos maiores katas do estilo shotokan. Neles existem técnicas bem singulares não sendo vistas em nenhum outro kata shotokan.

MEIKYO: (Espelho Limpo) ou (Espelho da Alma): Este é um Kata muito misterioso. Presume-se que os japoneses o conheciam muito antes que Mestre Funakoshi tenha introduzido o Karatê de Okinawa no Japão. Há até mesmo uma lenda japonesa a respeito de Ameratsu, a deusa do sol. Ela havia perdido seu espelho e não podia admirar-se, ficando muito aborrecida. Desta maneira, o mundo ficou nas trevas. Finalmente os outros deuses decidiram que alguma coisa deveria ser feita, então enviaram um grande guerreiro para realizar a "Dança da Guerra" do lado de fora da caverna. A "Dança Da Guerra" foi nomeada Meikyo. Meikyo é traduzido como "O Espelho da alma". O nome antigo para Meikyo era Rohai, o qual está agora voltando a ser usado.

JIIN: (Amor e Proteção): Este segue o mesmo principio do JION, sendo um kata de base pesadas e sempre visando uma melhor postura do praticante.

WANKAN: (Coroa Real):Este Kata era conhecida no passado pelo nome de Shiofu e Hito que significava a Coroa do Rei. É a Kata mais curta do Karatê Shotokan, só com um Kiai. Como não fazia parte do grupo inicial de katas introduzidas por Gigin Funakoshi no Japão, é geralmente aceito que foi o filho Yoshitaka Funakoshi que a introduziu no Shotokan, numa nova versão, por si trabalhada e modernizada. Devido a sua dimensão existe a ideia que é um kata inacabado, cujo desenvolvimento foi interrompido com a morte precoce de Yoshitaka Funakoshi. Esta tese ganha significado já que as versões actualmente existentes em outros estilos de Okinawa, são bastante mais compridas.É Um kata sem duvida singular, contendo técnicas básicas e avançadas como torções. É o menor do estilo shotokan.


  Retirado:   http://www.karateca.net

domingo, 8 de dezembro de 2013

Preste atenção aos sinais, pois o corpo fala aquilo que a boca cala.



















Muitas vezes...
O resfriado escorre quando o corpo não chora.
A dor de garganta entope quando não é possível comunicar as aflições.
O estômago arde quando a raiva não consegue sair.
O diabetes invade quando a solidão dói.
O corpo engorda quando a insatisfação aperta.
A dor de cabeça deprime quando as dúvidas aumentam.
A alergia aparece quando o perfeccionismo fica intolerável.
As unhas quebram quando as defesas ficam ameaçadas.
O peito aperta quando o orgulho escraviza.
A pressão sobe quando o medo aprisiona.
As neuroses paralisam quando a “criança interna” tiraniza.
A febre esquenta quando as defesas detonam as fronteiras da imunidade.
O coração desiste quando o sentido da vida parece terminar.

E as tuas dores caladas ... como elas falam no teu corpo?


Mas cuidado.... escolha o que falar, com quem, onde, quando e como!!!

Crianças é que contam tudo , para todos, a qualquer hora, de qualquer forma. ... Passar relatório é ingenuidade.

Escolha alguém que possa te ajudar a organizar as idéias, harmonizar as sensações e recuperar a alegria.

Todos precisam saudavelmente de um ouvinte interessado.

Mas tudo depende, principalmente, do nosso esforço pessoal para fazer acontecer as mudanças na nossa vida !!!